Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Pub

1/1

Arcos de Valdevez aposta no Centro Apoio Tecnológico à Indústria do Alto Minho


Hoje, dia 30 de julho, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), o Município de Arcos de Valdevez (MAV) e a Associação para o Centro de Incubação de Base Tecnológica do Minho (ACIBTM) celebraram um protocolo. O principal objetivo da iniciativa entre as três entidades centra-se em criar o Centro de Apoio Tecnológico à Industria do Alto Minho (CATIAM) em Arcos de Valdevez.

Assinatura de protocolo| Peneda Gerês TV

O protocolo refere que a (re)industrialização, é o pilar estruturante do desenvolvimento do Alto Minho e, hoje, exige recursos, capacidade competitiva, conhecimento, tecnologia, investigação, inovação e formação que permita que as pessoas se fixem na região por disporem de acesso a qualificação e emprego de elevados níveis. Com esses pressupostos o IPVC, a CMAV e a ACIBTM irão promover no CATIAM diversas atividades tendo em conta a educação, trabalho científico, investigação, desenvolvimento e inovação e também formações.

A parceria do IPVC no projeto do Centro de Incubação de Base Tecnológica do Minho será composta por trabalho docente, cientifico e laboratórios e também irá conceber, organizar, promover, coordenar e avaliar toda a atividade do CATIAM nas áreas de formação, científica e pedagógica.

O presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, João Manuel Esteves, acredita que o centro "representa a aproximação do mundo científico ao mundo empresarial” e que “este é um passo muito importante para o concelho e para a região pois estão criadas as condições para fornecer serviços de valor acrescentado às empresas instaladas, ou a atrair para a região" e que terá a capacidade de "fortalecer a competitividade e a atratividade da região”.

O projeto ronda os três milhões de euros e irá ser dotado de um laboratório de novas tecnologias no âmbito da maquinação, da impressão 3D e da robótica.

#economia

0 comentário