top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

50 líderes da economia do mar colaboram com Agenda do Mar de Viana do Castelo

Cerca de 50 líderes da economia do mar participaram em debates que visaram elaborar a Agenda do Mar de Viana do Castelo para a presente década. Estes workshops reuniram contributos de especialistas, empresários e entidades diversas.


O primeiro encontro, que decorreu através dos meios digitais, debateu as Energias Renováveis Offshore, a construção e reparação naval, a ciência, investigação e desenvolvimento, bem como os cabos marítimos. O segundo debate debateu o Porto Comercial e as novas tecnologias.


Esta manhã, aconteceu um workshop sobre Desportos de água, turismo azul, proteção costeira e meio ambiente. Já esta tarde, foi analisada a Fileira Alimentar do Mar, sobre a pesca, aquacultura a indústria do pescado, bem como a cultura marítima.


Recorde-se que, nos próximos três meses Viana do Castelo, vai contruir a Agenda da Economia do Mar, baseada em três pilares: ouvir, de forma estruturada, cerca de 50 líderes da economia do mar; analisar documentos relevantes; validar a Agenda 20-30 com a comunidade marítima de Viana do Castelo. O objetivo é captar 500 milhões de euros de investimento público e privado ao longo da próxima década, promovendo a criação de 1.000 postos de trabalho.


De acordo com o edil vianense, a Agenda "Viana do Castelo - Retoma através do Mar", será um documento inovador e único a nível nacional. “A nossa Agenda do Mar vai ter uma forte componente participativa e uma parte técnica associada, para termos um documento robusto que sirva os interesses de Viana do Castelo e os interesses nacionais”, declarou José Maria Costa, na conferência de imprensa do projeto, referindo que o Município tem “uma enorme ambição em relação ao mar”. “Queremos atrair e captar investimentos para Viana do Castelo nos próximos anos. Queremos aumentar em 1.000 o número de postos de trabalho qualificados nas áreas do mar nos próximos dez anos”, frisou.


Para tal, o concelho deverá ampliar a aposta nas energias renováveis oceânicas, promover desenvolvimentos nas áreas da construção e reparação naval, no terminal de cruzeiros previsto no plano plurianual de investimentos, apostar na pesca, na aquacultura e nos desportos náuticos.



0 comentário
bottom of page