top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Alto Minho quer criar infraestrutura tecnológica relacionada com sistemas agroambientais

Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) e Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN) debatem estratégia de inovação e transferência de conhecimento para a área do agroalimentar no Alto Minho.




O presidente do Conselho Intermunicipal da CIM Alto Minho, Manoel Batista, reuniu-se hoje, dia 17 de fevereiro, em Ponte de Lima, com o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN), António Cunha, para "discutir uma estratégia conjunta para a inovação sub-regional e para a transferência de conhecimentos na área do agroalimentar." As energias oceânicas e a inovação industrial, foram outros dos temas debatidos, destacando-se, neste último caso, o papel do CiTin – Centro de Interface Tecnológico Industrial, uma entidade de cariz científico e tecnológico criada no Alto Minho para apoio à inovação da indústria transformadora, tendo em vista o desenvolvimento da competitividade da região.

Seis homens sentados à mesa, numa reunião de trabalho no Palacete Villa Moraes, em Ponte de Lima

Relativamente ao sector agroalimentar, avança a CIM Alto Minho em nota de imprensa, "a intenção é criar no Alto Minho uma infraestrutura tecnológica relacionada com sistemas agroambientais e alimentação sustentável", nomeadamente no âmbito da Estratégia de Especialização Inteligente S3 Norte 2027, nos domínios prioritários "Sistemas Agroambientais e Alimentação”, e "indo ao encontro dos eixos de intervenção do programa NORTE 2030, em particular o "Norte mais competitivo" e o "Norte mais verde e hipocarbónico". "

Esta orientação política reflete-se, de igual modo, na Estratégia Alto Minho 2030, sobretudo no Eixo 1 – Tornar o Alto Minho uma região mais competitiva, nomeadamente no seu objetivo estratégico de valorização dos recursos endógenos, e no Eixo 4 – Tornar o Alto Minho uma região mais resiliente por via da sustentabilidade.

"A criação de uma infraestrutura tecnológica relacionada com sistemas agroambientais e alimentação sustentável no Alto Minho justifica-se também pela elevada concentração e diversidade de sistemas agroambientais de significativo valor natural, paisagístico e ambiental", explica, dando como exemplos o Parque Nacional da Peneda do Gerês, Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e São Pedro D´Arcos, Paisagem Protegida do Corno do Bico, Serra d’Arga e Litoral Norte, entre outros espaços, "num mosaico diversificado de sistemas de produção agrícola e florestal, bem como agroindústrias e outras empresas do sector alimentar.", sublinha.

"A infraestrutura tecnológica possibilitará, pois, o desenvolvimento, experimentação, otimização e demonstração de processos, técnicas, tecnologias e produtos nas áreas da sensorização e da agricultura de precisão, permitindo ao sector adaptar-se e contribuir para os objetivos preconizados na Estratégia Europeia para os Dados; dos sistemas de produção sustentáveis suportados na utilização eficiente dos recursos e na proteção dos ecossistemas, com recurso a soluções baseadas na natureza; da valorização de recursos endógenos (animais e vegetais) e nos subprodutos da atividade agropecuária e agroindústrias, de acordo com a pirâmide de valor da (bio)economia (circular); da qualidade e segurança alimentar; além de novos ingredientes e produtos inovadores.", conclui.

Nesta reunião, estiveram também presentes o presidente do IPVC, Carlos Rodrigues, e o coordenador científico do NUTRIR, Nuno Brito.






0 comentário
bottom of page