top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Alunos de Biologia da Universidade do Minho vão apresentar a tese em minuto e meio

O Centro de Biologia Molecular e Ambiental (CBMA) da Escola de Ciências da Universidade do Minho apresenta esta sexta-feira, às 14h30, uma seleção das suas investigações, reunindo 200 participantes no auditório B1 do campus de Gualtar, em Braga. Estudantes de doutoramento irão apresentar a respetiva tese em apenas minuto e meio, num concurso que visa capacitar os jovens cientistas e aproximar os cidadãos.





equipa do CBMA numa escada em espiral, vista de cima

A iniciativa designa-se “I CBMA Open Day / II PhD Bio Symposium” e tem como momento mais esperado um concurso com 13 estudantes de doutoramento a apresentarem a respetiva tese em 90 segundos. "É às 14h30 e aguarda-os um júri de especialistas ligados a empreendedorismo, comunicação, arte e ciência. Os prémios do concurso incluem inscrições em congressos (inter)nacionais para os vencedores divulgarem mais tarde o seu trabalho", revela a UMinho em comunicado.


Ao palco vão “subir” temas como microalgas para o envelhecimento, subprodutos da videira para a cosmética, resistência antimicrobiana, plástico na água, biologia computacional e ancestralidade genética de Portugal, entre outros. “Esta iniciativa dá aos alunos de doutoramento competências transversais, ajuda-os a simplificar as ideias e também a comunicarem à sociedade de forma próxima”, resume a diretora do CBMA, Cláudia Pascoal, citada pela Universidade. O formato é inspirado, por exemplo, no concurso “3 Minutos de Tese”, criado em 2008 na Austrália e que se alargou a 900 universidades de 85 países, e na rubrica de rádio “90 Segundos de Ciência”, da Antena 1.


TRÊS PAINÉIS, 41 POSTERS E MESA-REDONDA

 

Antes do concurso, a manhã do evento conta com a apresentação de 12 trabalhos científicos em três painéis, focando tópicos como nanossistemas de grafeno e lípidos para imagiologia e tratamento do cancro, fungos que detetam impactos ecológicos nos rios, os animais microscópicos mais abundantes e diversos do planeta (nematodes), a comparação de tipos de leveduras, a descodificação da complexidade dos genomas e ainda novas formas de deteção de espécies marinhas.

 

Os painéis vão ser intercalados por sessões com 41 posters de mestrado e doutoramento, as quais se prolongam no dia. De tarde prevê-se ainda, às 15h45, a mesa redonda “Ferramentas de IA: desafios e oportunidades” com Simão Soares (CEO da SilicoLife), João Francisco Gonçalves (investigador do CIBIO-InBio) e Sílvia Araújo (professora da Escola de Letras, Artes e Ciências Humanas da UMinho). Segue-se a entrega de prémios, a sessão de encerramento e um sunset cultural.

programa do evento

“Este ano aliamos o simpósio, antes dedicado a alunos de doutoramento, com o primeiro Dia Aberto do CBMA, convidando assim todos os que aqui estudam e trabalham para um momento de convívio e partilha de experiências; para muitos alunos de mestrado, será a sua primeira comunicação num evento científico”, acrescenta a doutoranda Ana Rita Bragança, membro da organização.

 

Sobre o CBMA

 O CBMA foi criado em 2008 e está avaliado como "Muito Bom" pela tutela. É cofundador do IB-S - Instituto de Ciência e Inovação para a Biossustentabilidade e membro do laboratório associado ARNET - Rede de Investigação Aquática. Possui cerca de 100 investigadores (54 são doutorados) e 23 projetos em curso, todos ligados à Agenda 2030 da ONU. Entre tantos dos seus avanços científicos recentes, desenvolveu uma enzima que é agora usada nas padarias de todo o mundo, tem descoberto novas espécies de animais marinhos e vai lançar uma start-up pioneira para o mercado da água.




 



 

0 comentário

Comments


bottom of page