top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Autarca de Viana defende união de esforços em torno da estratégia de crescimento do Pacto Verde

Apelo foi feito por Luís Nobre, na passada sexta-feira, num seminário do Eixo Atlântico que reuniu em Viana do Castelo, presidentes e responsáveis da Comissão Europeia dos eixos prioritários da Política Urbana.




No seminário, o Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo apelou a um esforço conjunto “do pensamento, da academia, dos decisores e dos investidores” em torno da estratégia de crescimento do Pacto Verde, referindo que o mesmo “é uma nova oportunidade da economia” que precisa de uma agregação de esforços para garantir fontes de financiamento junto da União Europeia.


O Pacto Verde é uma estratégia de crescimento baseada num ambicioso pacote de iniciativas políticas cujo objetivo é situar a União Europeia no caminho para uma transição ecológica sustentável, com a intenção de alcançar a neutralidade climática até 2050. A estratégia inclui medidas de controlo de poluição, políticas sociais e ações contra a mudança climática, leis de sustentabilidade, redução das emissões de gás, eficiência energética, economia circular ou economia verde, entre outras.

homens e mulheres sentados à mesa, atentos num seminário

“Temos grandes desafios, muitos deles absolutamente emergentes, que nos obrigam a pensar e decidir mais rápido. No entanto, estou absolutamente tranquilo porque esta associação do Eixo Atlântico representa um espaço de construção e de partilha que nos tem ajudado imenso a interpretar o nosso território e que nos dá segurança para abraçar os novos desafios”, declarou o autarca.


Luís Nobre assumiu que “a transição digital já foi iniciada”, referindo que é preciso trabalhar a transição climática “sempre com o Oceano Atlântico como ponto em comum e de união”. “Não temos de temer este processo, temos condições para partilhar, para incorporar as novas oportunidades, não só na economia do mar, mas também na energia, para cumprimento das metas internacionais”, realçou.


Também o Secretário-geral do Eixo Atlântico, Xoán Vázquez Mao, frisou que “o Pacto Verde é uma figura absolutamente fundamental e obrigatória para desenvolver políticas urbanas e para aceder a fundos”, considerando que Viana do Castelo “sempre soube reunir muito bem a componente marítima com a cidade, o mar e a cidade, o porto e a cidade”.

homem careca discursando num palanque
Xoán Vasquez Mao - Secretário-geral do Eixo Atlântico

O Secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, marcou presença no arranque dos trabalhos e defendeu que o Eixo Atlântico “é, porventura, um dos espaços mais inovadores da União Europeia no que toca à cooperação”, já que “tem sido um espaço de concertação entre os municípios do Norte de Portugal e da Gazila”, assumindo-se como “um espaço transfronteiriço de excelência”.

bandeirinhas de Portugal, Galiza, Espanha e Eixo Atlântico

“Temos de colocar os temas dos oceanos no centro das políticas públicas. Precisamos de defender na União Europeia uma maior cooperação entre comissários ligados aos oceanos e ao ciclo da água”, afirmou, sugerindo a organização de um fórum anual para mobilizar todos os cidadãos para os grandes temas da sustentabilidade e dos oceanos.


“É nos oceanos que temos de fazer a verdadeira transição energética. Precisamos fazer uma autêntica revolução, alterando e adequando os portos à descarbonização, apostando nas energias renováveis offshore, associando os oceanos à produção de energia limpa”, considerou, assumindo que “o mar é o nosso território do futuro”.

homem falando de pé num palanque e outras pessoas a assistir
José Maria Costa - Secretário de Estado do Mar

“A agenda do Eixo tem de introduzir esta agenda dos oceanos porque é através desta que vamos construir o nosso futuro. Temos de fazer bem feito, com a academia, os cidadãos, mas acima de tudo com os agentes políticos”, disse, juntando-se às palavras do autarca Luís Nobre.


A Presidente do Eixo Atlântico, Lara Méndez, referiu que “a sustentabilidade passa também pelo urbanismo e pelo desenvolvimento de projetos que combatam as alterações climáticas e que se empenhem na área social, para que os territórios sejam confortáveis e acolhedores e se foquem nas pessoas, porque se as oportunidades económicas e o emprego não forem garantidos, as pessoas mudam-se para outros lugares”.

mulher sentada, falando ao microfone e outros dois homens ouvindo, sentados ao seu lado
Lara Méndez - Presidente do Eixo Atlântico



0 comentário

Comments


bottom of page