top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Câmara de Cerveira oferece rastreio visual e kit ColorADD para detetar problemas de daltonismo

Com objetivo de sensibilizar a comunidade escolar para o daltonismo e proporcionar rastreios visuais aos cerca de 80 alunos do 4.º ano do 1.º ciclo dos três centros escolares do concelho, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira voltou a associar-se ao programa ColorADD - o Alfabeto das Cores, criado por um designer português e que já é utilizado a nível mundial, em diversas áreas.




Com certeza já se perguntou como é que um daltónico lida com situações simples do dia a dia, como a mudança dos semáforos de trânsito, o jogo do UNO ou saber qual a cor da bandeira em época balnear. Pois bem, existe um kit, designado ColorADD, desenvolvido por um designer português que ajuda pessoas com daltonismo a aprender o "alfabeto das cores".


A Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, sensível a esta temática, fez-se representar pela Vereadora da Educação, Sónia Guerreiro, que acompanhou as três sessões realizadas, esta quinta-feira, nos centros escolares de Cerveira, Norte e de Covas, sublinhando o caráter interventivo e interativo da iniciativa, sobretudo por “ajudar a detetar algumas dificuldades na distinção das cores ou de outro caráter, além de sensibilizar para a perceção da diferença”. Durante a entrega de um kit, composto por um conjunto de lápis de cor e uma sebenta alusivos ao ColorADD, Sónia Guerreiro ainda desafiou os alunos a “transmitirem a mensagem do ColorADD no seio familiar, explicando o daltonismo, mas também abordando a existência de uma ferramenta inovadora que ajuda a minimizar o impacto desta patologia no dia a dia”.


A atividade em contexto lúdico incidiu na pintura de desenhos com as cores corretas, usando óculos que simulam a visão daltónica e recorrendo a estojos de lápis de cor inclusivos, desenvolvidos para identificação gráfica das cores, através dos símbolos convencionados pelo código ColorADD – o Alfabeto das Cores.

Além de dar a conhecer as dificuldades diárias de um daltónico, através da vivência prática, esta ação incorpora uma mais-valia ao promover, simultaneamente, a realização de um rastreio visual, considerado crucial nesta idade de transição para o 2.º ciclo.

Globalmente, estima-se que 10% dos homens e 0,5% das mulheres sofram de daltonismo, uma perturbação na visão, sem cura, que impede a diferenciação de todas ou algumas cores. Apesar dos constrangimentos diários vivenciados, nem sempre é feito um diagnóstico técnico a quem vive com esta limitação.





0 comentário

Comments


bottom of page