top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Cerveira organiza conferência para destacar o papel das mulheres na Bienal Internacional de Arte



O Município de Vila Nova de Cerveira dinamiza, esta sexta-feira, 17 de setembro, às 15h00, uma conferência centrada nos contributos e na relevância das mulheres para a história da Bienal Internacional de Arte de Cerveira (BIAC). Devido à Covid-19, o evento decorre no Palco das Artes, mas em formato duplo: presencial, mediante convite, e online com transmissão nas redes sociais.


Enquadrada no Projeto Âncora “PA2. Touring Cultural – Identidade Cultural do Minho”, o “Ciclo de Conferências sobre Estórias do Minho” abrange 24 momentos de debate dedicados à Identidade Cultural do Minho, com os atores sociais, políticos e culturais dos 24 concelhos do Minho.


Apesar de a história da Bienal Internacional de Arte de Cerveira ser contada sobretudo por mulheres, a importância de artistas, críticas, curadoras e teóricas das mais diversas áreas para a consolidação deste evento no panorama artístico nacional é pouco explorado e não tem sido devidamente reconhecido. Assim, e sob uma perspetiva feminista, o desafio lançado é o de incitar à reflexão, procurando evidenciar e documentar a relevância das mulheres para a história da Bienal, assim como construir uma nova narrativa da relação Bienal - Vila Nova de Cerveira.


O evento “Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Uma História no Feminino” é constituído por duas conferências, seguidas da estreia de um documentário sonoro.

As conferências serão realizadas pelas Doutoras Márcia Oliveira e Fátima Lambert que terão como objetivos específicos enquadrar a discussão num debate mais alargado sobre o desenvolvimento de uma perspetiva feminista no interior da história da arte portuguesa, por um lado, e analisar a história da Bienal e a sua própria existência e identidade através da intervenção de mulheres artistas e não artistas, curadoras, críticas, teóricas, por outro lado. As conferências darão origem a dois textos a serem publicados, posteriormente, pelos organizadores do “Ciclo de Conferências sobre Estórias do Minho”. Já o documentário sonoro é constituído por depoimentos pessoais de mulheres artistas e de mulheres de Vila Nova de Cerveira.


Com o apoio institucional do CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória», o evento “Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Uma História no Feminino” realiza-se esta sexta-feira, dia 17 de setembro, a partir das 15hh00, no Palco das Artes. A transmissão online é feita através do canal Youtube do Município de Vila Nova de Cerveira ou na página do Facebook.


Informação sobre as conferencistas:

  • Márcia Oliveira - Investigadora Integrada no CEHUM - Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, onde integra o GAPS, Grupo de Investigação em Género, Artes e Estudos Pós-Coloniais;


  • Fátima Lambert: Doutoramento em Estética (Filosofia); Mestrado em Estética (Filosofia); Licenciatura em Filosofia - Faculdade de Filosofia de Braga (UCP). Coordenadora da Comissão para o Ensino Artístico no Ministério da Educação (1996/1997); Investigadora da FCT – Projeto “Writing and Seing” (2001/2004); Professora coordenadora em Estética e Educação na Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto; Coordenadora da UTC de Estudos Culturais e Sociais e do Curso de Gestão do Património, coordenadora do Núcleo de Estudos Artísticos e do Património (NEAP - InEd/ESE); Orientadora de várias teses de Doutoramento na FBAUP, Univ do Minho, Univ. de Vigo e de dissertações de Mestrado na FBAUP; Membro das Comissões Científicas: do InEd (Centro de Investigação em Inovação na Educação/ESE - Porto) e do IHA (Instituto de História de Arte da FCSH da Universidade de Lisboa) e investigadora integrada da linha de “Museum Studies”; Membro do Adviser Comitee da Dardo Magazine – Arte Contemporânea (Santiago Compostela). Autora de vários livros, textos, artigos em revistas científicas; Conferencista, curadora independente e Crítica de Arte (AICA). Colabora com a Bienal Internacional de Arte de Cerveira desde 1995, como comissária, membro do júri, conferencistas, etc.



0 comentário

Comments


bottom of page