top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Exposição "O Rio Minho como lugar comum" patente em Melgaço até 9 de outubro



A Casa da Cultura tem patente a exposição “O RIO MINHO COMO LUGAR COMUM”. A mostra divide-se em dois temas/trabalhos: “REFLEXÃO PROJETUAL, O ESPAÇO TRANSFRONTEIRIÇO DO RIO MINHO” (autoria do Atelier “Programas Emergentes”, da Escola de Arquitetura, Arte e Design – Universidade do Minho) e “DE CÁ E DE LÁ” (autoria de Álvaro Domingues, Geógrafo e professor da FAUP). Para visitar até 9 de outubro.


SINOPSE:

«Esta exposição resulta da reflexão projetual desenvolvida pelo Atelier de Projeto “Programas Emergentes”, ano 21/22 do 5.º ano do Mestrado Integrado de Arquitetura da Escola de Arquitetura, Artes e Design da Universidade do Minho.

Os resultados desta reflexão são aqui partilhados com a comunidade a quem esta se dirige. A sua ambição é ser capaz, pelo seu pensamento divergente e especulativo, influenciar ainda que tangencialmente o poder político e as opções de futuro. Esta investigação é uma janela sobre o tema da Fronteira e da sua transformação em espaço de partilha e encontro.

O Atelier “Programas Emergentes” atua na região transfronteiriça do Rio Minho, onde se cruzam as comunidades de Melgaço, Arbo e Crecente. Ao longo dos tempos o Rio Minho foi recurso económico e de ligação. Depois, o rio foi progressivamente afetado e transformado pela poluição e pela construção de barragens a montante. A inacessibilidade da região permitiu o contrabando entre as margens, o escasso sustento de uma população rural pobre, até desaparecer juntamente com a fronteira. Ondas sucessivas de emigração levaram ao despovoamento e, hoje, os edifícios e pequenos aglomerados urbanos estão espalhados por vinhas, campos e florestas. Sendo estas as caraterísticas específicas deste território elas são também globais: um território despovoado, distante dos centros de poder e difuso na sua identidade transfronteiriça.

O projeto consiste em questionar a ideia de fronteira e criar uma infraestrutura de apoio para os que aqui residem, mas também para todos que aqui chegam: uma Ponte na forma que a topografia necessariamente obriga. O tipo-ponte é, aqui, o Lugar Comum que constrói para as pessoas o que as formas urbanas aqui presentes não conseguiram até hoje construir.»


Ainda no âmbito desta temática, será levado a cabo o debate “PODE A FRONTEIRA SER UM ESPAÇO DE PARTILHA E ENCONTRO?”, no dia 22 de setembro, pelas 16h30, na Casa da Cultura de Melgaço.


Participantes:

Álvaro Domingues – geógrafo, professor FAUP, Porto

Luciano Alfaya – arquiteto, Estudio MMASA, Corunha

Manoel Calçada Pombal – Presidente da Câmara Municipal de Melgaço.


Moderação: Marta Labastida – arquiteta, professora EAAD da UM, Guimarães Teresa Novais – arquiteta, professora Atelier Programas Emergentes, 21/22

Horário da Casa da Cultura

Segunda a sexta-feira: 09h00-13h00 / 14h00-18h00 Sábado: 09h30-12h30 / 14h00-18h00 Espaço encerrado aos domingos e feriados.



0 comentário

Comments


bottom of page