top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Fundação Bienal de Arte de Cerveira participou em campo criativo europeu em França

A Fundação Bienal de Arte de Cerveira (FBAC) participou no campo criativo “Eurofabrique Design Camp” que decorreu de 5 a 9 de fevereiro deste ano em Chaumont (França), no âmbito do projeto “EUROFABRIQUE CAMPS”, cofinanciado pelo programa Europa Criativa da União Europeia. A iniciativa reuniu, no Le Signe - Centro Nacional de Artes Gráficas, 42 estudantes e professores de design gráfico de 10 instituições de ensino superior de 7 países.




jovens a ver uma exposição de arte numa sala

O “Eurofabrique” trata-se de um projeto criativo para jovens que teve origem em fevereiro de 2022, com a sua primeira edição no Grand Palais Éphémère, em Paris. O sucesso do evento foi tal que a Associação Nacional de Escolas Superiores de Arte (ANdEA) pretendeu expandir e transformá-lo numa iniciativa a longo prazo. Lançado o desafio, foi apresentada a candidatura “EUROFABRIQUE CAMPS” no âmbito do programa “Projetos de Cooperação Europeia” da vertente cultural do Europa Criativa, da qual a FBAC é parceira juntamente com as entidades: ANdEA, Gip Le Signe – Centre National Du Graphisme, em França, e a Asociatia Clusterul de Industrii Creative Transilvania, na Roménia.


Este consórcio e os respetivos parceiros, representando uma diversidade de organizações mobilizadas nas trajetórias de artistas e designers emergentes, decidiram unir forças a nível europeu para moldar em conjunto o futuro do “EuroFabrique”, consolidando simultaneamente uma rede transfronteiriça inclusiva. "Ao longo de 16 meses estão a ser desenvolvidos 3 campos criativos, cápsulas colaborativas concebidas para testar novos protótipos e trabalhar sobre os intervenientes, a estrutura, as formas e os conteúdos do projeto", pode ler-se numa nota do Município de Vila Nova de Cerveira publicada hoje no site da autarquia. "Continuando a ativar o mesmo método colaborativo e a envolver ativamente a juventude criativa europeia, estes campos não só contribuem para a mobilidade internacional dos estudantes, como também reforçam as suas competências criativas e críticas e as suas capacidades de resiliência", acrescenta.


O primeiro campo criativo da EuroFabrique decorreu em Cluj, na Roménia, em dezembro de 2023, e teve como objetivo trabalhar coletivamente para redefinir o conceito do projeto, explorar os seus possíveis formatos e discutir métodos de transmissão, a partir da visão partilhada de 170 estudantes e professores de 19 escolas de arte de 9 países europeus.


Já o Chaumont Design Camp, em França, desafiou, assim, estudantes e professores a elaborar um conjunto de ferramentas gráficas do projeto, para que cada parceiro possa criar a sua própria proposta, integrada numa identidade comum da “EuroFabrique”. Um programa abrangente de palestras, apresentações e encontros com estúdios de design de renome internacional, bem como com organizações locais, acompanhou os estudantes nas suas explorações e criações ao longo da semana. O programa contemplou ainda, de 8 a 11 de fevereiro, o evento o “EU.TOPIA” que teve lugar no Gaîté Lyrique, um centro de artes digitais e música moderna de Paris, onde foram apresentados os trabalhos realizados pelos estudantes nestes dois encontros internacionais.


De referir que Vila Nova de Cerveira irá acolher a terceira edição do evento, de 23 a 27 de setembro, integrado na XXIII Bienal Internacional de Arte de Cerveira. O objetivo será explorar coletivamente, a partir da temática da bienal “ÉS LIVRE?”, a forma como a arte e o design podem ser utilizados para abordar as questões mais prementes do continente europeu, tais como as alterações climáticas, a justiça social e a instabilidade política e, ao fazê-lo, aprofundar os eixos curatoriais do projeto.


Apoiado pelo programa europeu da Europa Criativa da União Europeia em 200 mil euros e com uma taxa de cofinanciamento de 80%, o projeto tem como objetivo sensibilizar para o papel dos artistas e dos designers enquanto motores do desenvolvimento social, político, económico e cultural e da resiliência social, participando numa sociedade mais inclusiva e tolerante.




0 comentário

Comments


bottom of page