top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

MDOC - Festival Internacional de Documentário de Melgaço arrancou hoje

Uma seleção de 32 documentários concorrem, este ano, aos Prémios Jean-Loup Passek e ao Prémio D. Quixote. Entre os dias 31 de julho e 6 de agosto, o MDOC – Festival Internacional de Documentário de Melgaço volta a juntar uma multiplicidade de pontos de vista sobre um mundo em crise, lançando um desafio sobre as novas formas de pensarmos as questões universais e o lugar da Humanidade no mundo.




imagem a preto e branco de homens a empurrar qualquer coisa, enquanto um levanta um chapéu de palha

Destaque à seleção de longas metragens, com filmes oriundos de 15 países, num olhar transversal e intercontinental sobre as questões de identidade, memória e fronteira. Com produção portuguesa serão exibidos: Trilogia dos Vales de Nuno Alves e Filipe Barreiro, The Invisible Hands de Hugo Santos, Territórios Ocupados de José Vieira, Margot de Catarina Alves Costa, As Maças Azuis de Ricardo Leite, Astrakan 79 de Catarina Mourão, e Cesária Évora de Ana Sofia Fonseca. Já nos internacionais a concurso, destaque para All That Breathes de Shaunak Sen, documentário nomeado para os Óscar este ano, ou Silent House de Farnaz Jurabchian e Mohammadreza Jurabchian, um filme onde os realizadores traçam um retrato intimista de uma casa e uma família, através de uma revisita aos arquivos das suas diferentes gerações.


Nota ainda para The Visitors de Veronika Lišková, filme selecionado para a 75ª edição do Festival de Cinema de Locarno na secção Semaine de la Critique, que aborda aspetos antropológicos de uma pequena cidade em constante mudança no norte da Noruega e a pressão sentida pelos estrangeiros que aí trabalham; Thiiird de Karim Kassem (selecionado para a edição deste ano do festival de Roterdão) e And, Towards Happy Alleys de Sreemoyee Singh e Dreams’ Gate de Negin Ahmadi (ambos estreados na Berlinale deste ano).


Nas curtas e médias metragens, chegam de Portugal Tanganhom de Vítor Covelo, 2720 de Basil da Cunha (recentemente galardoado no Curtas de Vila do Conde) e Death of a Mountain de Nuno Escudeiro. No plano internacional nota para Taxibol de Tommaso Santambrogio (estreado no Vision du Réel), Budapest Silo de Zsófia Paczolay (estreado no IDFA) e When a Rocket Sits On The Launch Pad de Bohai Liu (estreado na Berlinale 2023).


Destaque ainda para Will You Look At Me, de Shuli Huang, vencedor da Queer Palm para a melhor curta-metragem em 2022, um documentário filmado de forma exemplar, que revela o abismo emocional entre a mãe e o filho à procura da sua identidade.


Abrindo um diálogo com Melgaço e o concelho, a secção Quem somos os que aqui estamos? integrará o lançamento dos livros “Quem Somos os Que Aqui Estamos – Castro Laboreiro e Lamas de Mouro” e Labuta, um livro de fotografia de João Gigante sobre a freguesia de Alvaredo, que será ainda o mote para uma exposição homónima a ter lugar na Sede da Associação A Batela (Alvaredo).


Anunciada estava já a masterclass de Maythem Ridha (Contos do Iraque – a interface híbrida entre realidade e ficção), à qual se junta a oficina do realizador Vítor Hugo Costa que desafiará os participantes a desenvolverem projetos fílmicos com recurso a telemóvel.


O X-RAYDOC propõe uma conversa/debate sobre o Candid Eye, a partir de filmes de Wolf Koenig e Roman Kroitor. A exposição central do festival, Imagens de Uma Idade de Ouro: O Cinema Alemão dos Anos 10 aos Anos 30, junta cartazes, fotografias de filmes e retratos de atrizes da UFA (Universum FilmAG, sociedade de distribuição e produção alemã fundada em 1917).


Paralelamente ao festival, volta a ter lugar o curso de verão Fora de Campo, este ano dedicado ao tema: Cinema Autobiográfico/Autobiografias no Cinema, a partir da revisão do estado da arte e de projetos de pesquisa nas Artes, no Cinema e nas Humanidades. A coordenação do curso está a cargo de José da Silva Ribeiro, Alfonso Palazón Meseguer e Manoela dos Anjos Afonso.


As residências cinematográfica e fotográfica Plano Frontal vão produzir quatro documentários e três projetos fotográficos sobre o território, estando ainda previstas as estreias dos trabalhos realizados na edição de 2022.


Como de costume o MDOC organiza o Salto a Melgaço, uma programação intensiva com projeção de filmes, diálogo com os realizadores, visita às exposições, ao Museu de Cinema Jean-Loup Passek e ao Espaço Memória e Fronteira para aqueles que não podem participar em todos os dias do evento.


Consulte toda a programação em detalhe, incluindo horários aqui.


O MDOC Festival Internacional de Documentário de Melgaço, que vai já na sua 9ª edição, é organizado pela AO NORTE – Associação de Produção e Animação Audiovisual, em parceria com a Câmara Municipal de Melgaço. Desde 2014 que o festival pretende promover e divulgar o cinema etnográfico e social, refletir sobre identidade, memória e fronteira e contribuir para um arquivo audiovisual sobre a região.




0 comentário

Comments


bottom of page