top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

“Um Noivado no Dafundo” abriu 6ª edição do RUARTE – Festival de Teatro de Rua de Ponte de Lima

7 de Junho, 2024

O Largo de Camões foi palco do espetáculo “Um Noivado no Dafundo”, de Almeida Garrett, pela Associação Cultural “Unhas do Diabo” que, esta quinta-feira à noite, abriu assim a 6ª edição do RUARTE- Festival de Teatro de Rua de Ponte de Lima. Há mais espetáculos para todas as idades e em diferentes espaços da vila, para acompanhar até domingo.




atores a contracenar num espetáculo de rua

O RUARTE é organizado e produzido pelo Município de Ponte de Lima e a Associação Cultural “Unhas do Diabo” que visa “trazer o teatro às pessoas que, normalmente, não vão ao teatro”, explicou Filomena Palma, Presidente da Direção da “Unhas do Diabo”, associação que, habitualmente, está encarregue pela abertura do festival. Os espetáculos acontecem ao ar livre, em espaços do centro histórico limiano, outra característica que está na base do RUARTE: “Esta arquitetura da vila que se proporciona a cenários naturais fantásticos e, portanto, nós temos infinitos recantos onde colocar grupos para fazer peças de rua, o que enriquece também em termos estéticos”, considerou Filomena Palma.


atores de pé, dirigindo-se ao público
Filomena Palma (ao centro) é a Presidente da "Unhas do Diabo"

O Vereador com o pelouro da Cultura do Município de Ponte de Lima, Paulo Sousa, acrescentou que o RUARTE tem ainda como objetivos “promover a cultura, a representação teatral, mas também, trazermos o teatro como uma manifestação cultural para a rua, trazendo novas oportunidades para os visitantes e os nossos concidadãos poderem assistir a espetáculos de teatro de rua de grande qualidade e que são hoje referências nacionais.”

público sentado assistindo ao espetáculo

“Temos aqui companhias de excelência e que representam muito bem do melhor que temos do ponto de vista da construção teatral em Portugal e é, também, uma oportunidade para que os nossos grupos de teatro amador participem nestas ações, para partilhar experiências, para enriquecer o programa, mas também uma forma de aproximarmos, certamente, os nossos concidadãos ao usufruto e a beneficiar de uma programação diferenciada, que não está só nos recintos fechados, nomeadamente, no nosso Teatro Diogo Bernardes, mas que podem ser usufruídos no espaço público e que tornará o centro histórico muito mais cénico e apelativo através das representações de grandes espetáculos que iremos ter, ao longo deste fim de semana”, afirmou Paulo Sousa.

Vários grupos de várias zonas do país e do concelho levam a palco diferentes espetáculos para todo o tipo de público, desde crianças, jovens e adultos numa “maratona” eclética até 9 de junho.

público sentado a ver teatro de rua
O público assistiu atento a esta comédia/sátira social.

Filomena Palma, em conversa com os jornalistas na abertura da 6ª edição do RUARTE contou que têm recebido “bom ‘feedback’ “ por parte do público, que adere cada vez mais a este festival: “De um ano para o outro, sentimos sempre que as pessoas já estão à espera do que vai acontecer no ano seguinte, o que para nós é muito gratificante”, revelou. A Presidente da Associação Cultural Unhas do Diabo disse ainda que os grupos que convidam para fazer parte do festival, “desde a primeira/segunda edição são os primeiros que nos vêm perguntar quando é que é o próximo RUARTE, e se podem participar. Enviam-nos logo a informação para depois podermos fazer a seleção”, contou.


O VI Festival de Teatro de Rua – RUARTE abriu com uma arruada pelo Grupo de Bombos “Unidos de Cepões”, a partir das 19h00, pelas ruas do centro histórico de Ponte de Lima e irá repetir no domingo, 9 de junho, pelas 20h30.

tocadores de bombos num largo
Grupo de Bombos “Unidos de Cepões” animou o início da noite

Para esta sexta, o festival abre com o espetáculo infantil “A Carroça das Estórias” pela Ponto Produções, no Parque do Arnado, às 10h30 e às 14h30. Depois, às 21h00, Pequenos Actores do Lima apresentam, no Largo de S. João, “Folclore, um costume, uma tradição!”. Às 22h00, é a vez de “A Cidade e as Serras (não é Eça)”, pelo Teatro de Montemuro, na Alameda de S. João. Consulte a programação completa no cartaz abaixo.

cartaz do festival com a programação

*Notícia corrigida às 12h46, com alteração do título.

 



0 comentário

Comentários


bottom of page