top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Universidade do Minho lança plataforma que fornece competências online sobre resiliência das cidades



Plataforma CRISIS é apresentada amanhã em Guimarães e vai apoiar os decisores. Projeto junta quatro países e é cofinanciado pelo Erasmus+.

A Escola de Engenharia da Universidade do Minho lança esta sexta-feira uma plataforma para os decisores na área da resiliência das cidades avaliarem as suas competências e obterem formação online.


O projeto chama-se CRISIS, conta até 2024 com 400 mil euros do Programa Erasmus+ e une ainda as universidades de Tessália, Aberta Helénica (ambas da Grécia), Nicósia (Chipre) e FernUniversität (Alemanha). Em Portugal, tem também o apoio da Comunidade Intermunicipal do Ave e da Universidade das Nações Unidas (UNU-EGOV).


A adaptação e resiliência das cidades é um desafio crescente dos gestores, decisores e políticos face a contextos previstos ou não, como alterações climáticas, atentados e acidentes industriais. "O CRISIS vai servir em especial quem ocupa cargos de topo, mas também de setores como gestão urbanística e planeamento.", refere a Universidade do Minho numa nota de imprensa enviada às redações. Para tal, definiu-se 20 competências consideradas essenciais na gestão adequada da cidade. “Por exemplo, a gestão de risco, a planificação de espaços verdes e aquáticos, a infraestrutura tecnológica (que recolhe e trata informação e acelera a decisão num eventual desastre), além de competências de transparência e do envolvimento do cidadão na resolução de problemas e em momentos de crise e pós-crise, apoiando os concidadãos”, explica a professora Isabel Ramos, citada na mesma nota.

Na versão-teste em crisisprojestg.wpengine.com/my-app, a pessoa é confrontada com diversas perguntas e, consoante as respostas, é colocada num certo nível de proficiência, recebendo sugestões de módulos para melhorar as suas competências, os quais deverão estar prontos dentro de alguns meses. “Vamos disponibilizar formação e-learning autónoma, com um conjunto de recursos e avaliação online”, acrescenta a também investigadora do Centro Algoritmi.


O projeto pode alargar-se no futuro, na senda das diretrizes da Comissão Europeia e das smart cities, aproveitando módulos de aprendizagem já desenvolvidos e sugerindo o acesso a outros tipos de formação.






0 comentário

Comments


bottom of page