top of page

Peneda Gerês TV

Multimédia e Comunicação

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram

Pub

Projeto premiado da Universidade do Minho quer retirar 5 toneladas de lixo do fundo dos oceanos



PIEP da Universidade do Minho e três empresas venceram o Prémio Inova+ e querem retirar cinco toneladas de plástico junto a Peniche para produzir 2.5 toneladas de pellets.

O PIEP – Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros, interface da Universidade do Minho, e as empresas Neutroplast, JustDive e Bitcliq venceram o Prémio Inova+ Excelência Empresarial em Sustentabilidade de Recursos Naturais e Ecossistemas, por um projeto que limpa e reutiliza o lixo do fundos dos oceanos, anunciou hoje a UMinho. Chamado “SeaRubbish2Cap”, o projeto "pretende retirar cinco toneladas de plástico ao largo de Peniche para se produzir mais de 2.5 toneladas de pellets para embalagens."


O prémio, no valor de cinco mil euros, foi atribuído pela consultora Inova+. Este concurso de excelência empresarial e científica na inovação nacional teve o Alto Patrocínio do Presidente da República e a parceria da Agência Nacional da Inovação, do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e da Associação Industrial Portuguesa.



Renato Reis, Investigador do PIEP

O “SeaRubbish2Cap” é liderado pela Neutroplast e tem a coordenação científica do PIEP. "Visa identificar e recuperar o lixo do leito oceânico sem danos para o ecossistema, tratando depois os resíduos plásticos, de modo a poderem ser incorporados em produtos de valor acrescentado.", explicam. A pesquisa vai incidir nos processos de recolha e limpeza dos resíduos, na sua "transformação em “formato comercial” (grânulos) e na valorização pela introdução desses materiais no processo produtivo de novas embalagens", bem como no "desenvolvimento de uma aplicação para smartphone que permite registar e geolocalizar artes de pesca perdidas", explica o investigador Renato Reis, do PIEP.

No final, pretende-se desenvolver um novo mercado onde os agentes locais da pesca operam e vendem o desperdício plástico marinho à indústria ou a outros interessados. “É um projeto de futuro com uma verdadeira abordagem de sustentabilidade, pela importância de protegermos o meio ambiente, e o prémio é o reconhecimento do trabalho de toda a equipa”, acrescenta Renato Reis. Há também a intenção de se poder replicar o modelo do “SeaRubbish2Cap” em todo o mundo. O projeto é financiado pela Islândia, Liechtenstein e Noruega, através do Programa Crescimento Azul dos fundos EEA Grants.



0 comentário

Comments


bottom of page